Home / Notícias / A IMPORTÂNCIA DO GESTOR NA QUALIDADE DO ENSINO
A IMPORTÂNCIA DO GESTOR NA QUALIDADE DO ENSINO

A IMPORTÂNCIA DO GESTOR NA QUALIDADE DO ENSINO

 

Prof. André Bianchetto

Introdução

Este trabalho está sendo desenvolvido na Escola Municipal de Ensino Fundamental Getúlio Vargas, para buscar uma gestão escolar com princípios democráticos que vem levando gestores a refletirem a respeito de sua prática pedagógica, querendo construir um ambiente democrático nas escolas e consequentemente uma gestão participativa que mostra a responsabilidade dos gestores na construção do pensamento crítico e lógico. Pois a gestão escolar não deve estar focada apenas na dimensão administrativa da escola, mas principalmente a gestão pedagógica, em que o gestor também deve ser o gestor do ensino e aprendizagem.

A busca do conceito de qualidade na área educacional é um assunto muito debatido e, é uma iniciativa de longo prazo que exige mudança e reestruturação organizacional do gestor escolar que deve ser o primeiro a identificar a sue papel nesse processo, considerando que a busca da qualidade escolar requer uma análise

da forma como as escolas têm sido gerenciadas e um movimento em direção a um maior envolvimento de todas as pessoas associadas à escola.

A minha opção pela escolha do tema deu-se em virtude demonstrar como gestor escolar pode influenciar na aprendizagem de todos na escola. A principal motivação para o estudo dessa pesquisa decorre da necessidade de perceber e conhecer fatores que identificam a influencia do gestor escolar no favorecimento da melhoria da qualidade de ensino e para a contribuição da aprendizagem do todos na escola em que trabalho. Como o gestor escolar pode contribuir para melhorar a organização pedagógica e consequentemente a qualidade das aprendizagens E. M. Getúlio Vargas. Também pretendo analisar a atuação pedagógica do gestor na escola visando à melhoria das aprendizagens dos alunos e identificar a influência do gestor escolar na aprendizagem de todos os alunos.

A escola deve funcionar como um tempo de vivências socialmente desejáveis. Teixeira (2003, p. 6) afirma que “o diretor da escola é o principal articulador dos interesses e motivações dos diversos grupos envolvidos com a escola”. Partindo dessa afirmação, é importante que o diretor tenha visão administrativa ampliada, com capacidade para diagnosticar o perfil da população a ser atendida pela escola e as expectativas dos pais de alunos em relação à escola, pois o foco da educação é fornecer um serviço de qualidade a sua clientela. O sucesso administrativo depende das políticas educacionais adotadas pelo gestor no decorrer de sua gestão.

 

Desenvolvimento

Toda escola tem como objetivo uma educação de qualidade de ensino e para que a aprendizagem de todos de fato aconteça, é necessário que o gestor seja articulador, atuante e participativo nas questões que envolvam o campo pedagógico da escola. O gestor escolar é o maior responsável pelas áreas administrativa, financeira e pedagógica da instituição de ensino. Todavia, o pedagógico é a razão de ser de uma escola! A organização pedagógica bem gerenciada é quem direciona e dá qualidade ao ensino através de planejamento, acompanhamento, avaliação do rendimento da proposta pedagógica. Além de observar o desempenho dos alunos, do corpo docente e de todos da equipe escolar.

 

2.1 Organização da ação pedagógica e o planejamento escolar

 

Segundo Vasconcelos (1995), “planejar significa antecipar mentalmente uma ação a ser realizada e agir de acordo com o previsto, é buscar algo incrível, essencialmente humano: o real a ser comandado pelo ideal.”

Penso que para esse autor, o planejamento dentro da organização ajuda a realizar aquilo que se almeja para uma educação ideal. Se o gestor escolar trabalha para formar uma sociedade mais justa, ele deve atuar em busca desse ideal ao planejar sua ação educativa relacionando a teoria com a prática. Assim, será possível interferir de alguma maneira nessa realidade existente.

As tomadas de decisões acontecem a todo instante dentro da gestão, seja na construção do PPP ou no planejamento das atividades, quando se  avalia a realidade escolar e subsidiando tais acontecimentos. O planejamento ganha significado na construção de um projeto amplo ao qual deseja e luta pelo que a sociedade busca encontrar na comunidade escolar.

Portanto, para que tenhamos êxito no planejamento escolar, é necessário compreender como a dinâmica pedagógica acontece no interior da escola, dentro das salas de aula, como é concebido, executado o currículo escolar, quais atitudes valores e crenças são perseguidas, quais as formas de organização do trabalho pedagógico é a melhor para casa escola.

A dinâmica de trabalho numa escola funciona como uma engrenagem. O sucesso do trabalho do gestor escolar depende do empenho e do saber-fazer dos demais colegas de trabalho. A atuação do gestor escolar é fundamental para a organização e planejamento do trabalho pedagógico. É importante que a escola seja atuante e viva, no qual seu foco principal esta em nossa matéria prima que é o aluno.

Segundo Ferreira (2009, p. 70):

A capacidade de organização é que vai garantir a exequibilidade do que foi coletivamente planejado e revelar a competência dos profissionais da educação. É ai que se revelam os compromissos democráticos de todos os responsáveis pelo processo educacional, na garantia de fazer acontecer a todos os educandos, que foi proposto como fundamental para sua formação cidadã.

Portanto, planejar pode ser obra de um indivíduo ou de um grupo de pessoas, como no caso do planejamento participativo dentro de uma rede de ensino municipal onde uma coletividade de pessoas gestam uma instituição.

 

2.2  Fatores que influenciam na boa gestão escolar

 

A afetividade, coleguismo e respeitar os espaços dos colegas são muito importantes na gestão escolar, pois os membros da comunidade escolar devem trabalhar em harmonia para que o andamento do sistema de ensino esteja completo.

 De acordo com Santos (2000, p. 78) os fatores mais comumente associados a esse sucesso são:

  • Liderança educacional
  • Flexibilidade e autonomia
  • Clima escolar
  • Apoio da comunidade
  • Processo ensino aprendizagem
  • Avaliação do desempenho acadêmico
  • Supervisão de professores
  • Materiais e textos de apoio pedagógico
  • Espaço adequado

 

 

No caso do senso de coletividade e interdependência em uma escola que queira ter sucesso não pode haver aquele processo centralizado somente no diretor ou em determinados profissionais. Além dos papéis específicos, cada profissional envolvido no aprendizado precisa entender que um time tem muito mais sucesso que indivíduos isolados. Portanto, a comunicação e o senso de responsabilidade coletiva devem ser trabalhados.

Desde a pessoa da recepção, passando por professores, orientadores e até gestores, a comunicação deve ser exercida de forma eficaz. Os alunos precisam ser abraçados por uma gestão que saiba o que cada um precisa, com professores compreendendo o plano geral do processo pedagógico; assim também, o gestor deve saber como ajudar os professores em suas necessidades na missão de ensinar.

A comunidade deve ser convidada a participar da escola, ajudando assim a propagar o nome da instituição como um referencial na localidade, assegurando a confiabilidade e ampliando potencialmente a cartela de alunos matriculados.

Os investimentos em tecnologia nas escolas são muito importantes, por que se falava em tecnologia para escolas, vinham à mente os aparelhos de vídeo, áudio ou mesmo os computadores do laboratório. Hoje o conceito abrange a vida acadêmica como um todo, cercando o ambiente diário de novas possibilidades. Um professor pode ter informações rápidas sobre o histórico acadêmico de um aluno, com gráficos de desempenho e pontos fracos ou fortes. O profissional pode criar um banco de dados e atacar um determinado ponto na ênfase de seu ensino, tornando muito mais eficaz sua aula. Da mesma forma, os pais podem ter acesso aos detalhes da vida acadêmica de seus filhos, sabendo como o investimento está sendo direcionado. O gestor pode visualizar todo o trajeto do aluno e do professor, interferindo e agregando pontos quando achar necessário.

Nos dias atuais os gestores sabem que apesar de serem os responsáveis pela escola, sua função não é apenas burocrática. Os gestores devem estar presentes nas reuniões pedagógicas, participar no planejamento de projetos e atividades, dar sugestões de livros a serem lidos e acompanhar de perto as dificuldades dos alunos. Tudo isso serve para colaborar com a aprendizagem de todos na escola. Depois da formação continuada, os gestores percebem que podem usar os espaços da escola para que eles também colaborem com as aprendizagens elaborando dinâmicas e desenvolvendo atividades diferenciadas como, por exemplo, em relação a datas comemorativas.

 

2.3 A formação continuada dos gestores

 

A gestão continuada dos gestores tem sua importância crucial na visão e percepção de casos que possam ser percebidos com antecedência e trabalhados sem o grupo de alunos ou mesmo professores possam perceber.

Na visão de Urban, Schebel e Maia (1999, p. 41) uma boa formação continuada dos gestores deve ter:

  • Foco na melhoria das aprendizagens do aluno;
  • Temas que tenham haver com o dia-a-dia da escola;
  • Reuniões periódicas entre gestores e seus pares;
  • Currículo que promova debates sobre gestão de pessoas e do espaço escolar e sobre relações humanas entre comunidade interna e externa do ambiente escolar.

A formação continuada, a escola e sua gestão, devem ser fundamentadas em ideais que precisam ser firmados, compreendidos e compartilhados nas tomadas de decisões sobre a formação dos cidadãos. Vemos aqui a necessidade de se repensar a gestão da educação diante desta cultura globalizada e os desafios que a sociedade nos impõe diante da formação humana de profissionais da educação e de profissionais em geral onde nossos alunos hoje serão administradores da sociedade logo ali adiante.

 

Conclusão

Com base nos estudos realizados, conclui que o gestor escolar precisa ter como foco da sua atuação, o compromisso com a causa da escola, que é a promoção da aprendizagem. Esse compromisso com a causa dá ao gestor a neutralidade necessária para que ele possa estar constantemente “convidando” todos a igualmente assumir tal compromisso e a agir de forma fiel a esse princípio.

O profissional responsável pela gestão de uma organização educacional. Enfatiza a competência. Competência essa resultante da combinação de habilidades técnicas e comportamentais responsáveis pela qualidade e pela definição do que se pretende alcançar de acordo com a proposta instituída pela escola. No entanto, ser competente não significa simplesmente fazer bem feito, mas sim despertar nos outros a vontade de fazer bem feito e até mesmo conseguir estimular o seu grupo a comprometer-se com o processo.

Para alcançar o sucesso é preciso uma ação muito mais direta de liderança e de processos grupais em uma das interações continua e permanente dentro da comunidade escolar.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

FERREIRA, Naura Syria Carapeto. Gestão e Organização Escolar. IESDE Brasil, 2009.

 

URBAN, Ana Claudia. SCHEBEL, Maria Fani. MAIA, Cristiane Martinatti. Didática: Organização do Trabalho Pedagógico. IESDE Brasil, 1999.

 

VASCONCELLOS, Celso. Coordenação do Trabalho Pedagógico: do PPP ao cotidiano de sala de aula. São Paulo. Cortez, 1995

Comentar

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

Ir para o topo